Sinmed MS alerta para sobrecarga da rede de oxigênio do HRMS e defende lockdown

Em meio ao cenário crítico vivenciado nos hospitais do Estado, por conta da pandemia do novo coronavírus, mais uma questão preocupa os profissionais que atuam na linha de frente do atendimento aos pacientes. No hospital referência para tratamento da Covid-19, o HRMS, a rede de oxigênio está sobrecarregada, sem contar o risco de falta de outros medicamentos tanto neste quanto em outros hospitais do Estado. Diante disso, o Sinmed MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul) defende a adoção do lockdown, como tentativa de conter o avanço do número de casos de Covid-19.

“A situação está crítica, já temos casos de vermos pais e filhos perderem suas vidas para a doença em curto espaço de tempo. Chegou hora de adotarmos medidas mais enérgicas, como o lockdown, por ao menos dez dias”, declara o presidente do Sinmed MS, Marcelo Santana.

Oxigênio – A informação sobre a sobrecarga na rede de oxigênio do HRMS chegou ao conhecimento do Sinmed MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul), nesta quinta-feira (17), por meio de ofício, no qual destaca-se que além dos leitos comuns, o hospital possui os de “retaguarda provisórios”, nos quais os pacientes aguardam decisão clínica ou leito no pronto-atendimento, são as salas vermelha e azul. Nos locais, segundo o ofício, há, conforme necessidade, disponibilidade de ventiladores. “Os quais são utilizados, infelizmente, nas últimas 24h tivemos 08 pacientes intubados na área vermelha –I, 05 intubados na área vermelha-II, e 08 pacientes com máscaras de alto fluxo”, diz o ofício.

Outra informação preocupante é que nas alas de enfermaria, os pacientes têm ficado, em sua maioria, com cateteres de oxigênio. “Dos pacientes internados, 178 pacientes com alto fluxo e 55 com cateteres de oxigênio, totalizando 233 pacientes dependentes de oxigênio”.

“Esta situação nos preocupa muito, tanto enquanto médicos, quanto como cidadãos. Estamos vivendo um momento extremamente adverso e, mesmo diante dos esforços do Poder Público e dos profissionais da área da saúde, se a sociedade não colaborar – no sentido de se proteger e evitar adoecer – teremos esse quadro muito agravado”, diz o presidente do Sinmed MS.

Aumento da contingência – O Ofício também pontua que a quantidade de oxigênio que “chega ao HRMS, e é alocado em nossos tanques, estes conforme os contratos licitatórios, estão resguardados e a empresa responsável tem nos garantido este suporte contínuo e reiterado que o mesmo não faltará, salvo contingência maior”. 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também