Pesquisa revela o que pensam os moradores de Campo Grande sobre o Lockdown, Covid-19 e empregos

O estudo ouviu 1.200 residentes da Capital com 16 anos ou mais.
Reprodução

Com a ameaça da crise econômica gerada pela pandemia, o maior medo da população de Campo Grande é de ser infectado pela COVID-19. É o que mostra a pesquisa do Instituto Ranking Brasil – Pesquisa, Consultoria e Mídia, feita por telefone em todas as regiões da cidade. O levantamento ainda ouviu opiniões sobre as medidas restritivas adotadas pela prefeitura e quem é favorável ou não ao lockdown, medida considerada a mais extrema para conter o novo coronavírus.

O estudo ouviu 1.200 residentes da Capital com 16 anos ou mais. Na região do Anhanduizinho, 346 entrevistas foram feitas enquanto na região do Bandeira, foram 160. No Centro, 121 pessoas opinaram sobre a pandemia e no Imbirussú foram 151. No Lagoa, Prosa, Segredo e os distritos de Anhanduí e Rochedinho, foram ouvidas 158, 121, 139 e 4 pessoas espectivamente. Os dados foram colhidos entre os dias 26 e 31 de março de 2021. A pesquisa é do tipo quantitativa, por amostragem, com aplicação de questionário. A margem de erro é de 2,75% para mais ou para menos.

O levantamento do Instituto Ranking Brasil revelou que 58,25% dos entrevistados tem mais medo da COVID-19 do que do desemprego. Os que temem ficar fora do mercado de trabalho somou 35,42%. O índice de pessoas que não souberam responder ou não quiseram opinar foi de 6,33%.

Além disso, opinião de 18,33% dos entrevistados sobre as medidas de isolamento impostas pelo prefeito é de que Marquinhos Trad está se esforçando para combater a COVID-19. Outros 17,58% disseram que ele está no caminho certo enquanto 15,33% afirmou que está fazendo uma boa vacinação. Entre as respostas, estão ainda a afirmação de 14,25% de que Trad está combatendo a COVID e 13,75% disse que a prefeitura fiscaliza as medidas de isolamento. Pelo menos 12,33% opinou que ele está prejudicando o comércio e outros 11,50% que o prefeito está perdido já que emite muitos decretos. Houve reclamação por retirar os ônibus das ruas de 10,25%. Outros motivos somaram 7,58%. Não souberam ou não opinaram totalizou 4,67%.

No dia 22 de março, a prefeitura de Campo Grande determinou a antecipação dos feriados municipais de 13 de junho e 26 de agosto deste ano e de 2022. Assim, só os serviços essenciais determinados pelo município puderam funcionar. O comércio, depois, voltou a funcionar somente por delivery. As normas perderam vigência no último dia 28. A previsão é de flexibilização a partir do dia 5 de abril, conforme o próprio prefeito.

A pesquisa também questionou a opinião das pessoas sobre o lockdown, que é o fechamento total de toda a atividade considerada não essencial. Nesta modalidade, o comércio não deve atender nem como delivery ou drive-thru. A medida, em geral, é adotada por, no mínimo, 14 dias. Sobre isso, 50,83% dos entrevistados se disseram a favor da medida enquanto outros 37,67% se mostram contra. Para 8,25% dos ouvidos, tanto faz a adoção do confinamento e outros 3,25% não opinaram ou não souberam responder.

Pior cenário da pandemia Para o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, os números sobre o medo da infecção por COVID (58,25%) coletados pelo Instituto Ranking Brasil podem indicar que a população está tendo uma consciência tardia da situação. “Me parece que as pessoas estão tomando a consciência da gravidade, mas precisava ter chegado a este patamar?”, indagou. “Estamos dizendo isso há mais de ano, todos os dias, todas as nossas falas mostrando a agressividade do vírus, letalidade sempre crescente”, comentou.

Em relação aos dados favoráveis ao lockdown colhidos pelo instituto, Resende tem esperança que as pessoas estejam entendendo o que é empatia e que ajudem a vencer o coronavírus. “Há uma parcela da população que tem consciência que a doença é muito grave, que a doença tem levado vidas, não só no Mato Grosso do Sul, mas no país. Eu espero que essas pessoas nos ajudem nesse momento tão difícil que estamos vivendo”, afirmou.

INSTITUTO RANKING

O Instituto Ranking, foi a única empresa de pesquisa a acertar na “mosca” o resultado da eleição 2020 em Campo Grande. A empresa é formada por profissionais experientes e atende seus clientes desde 2002.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também