Falsa sargento usou nome de militar que conheceu em curso de paraquedismo para aplicar golpes

Autor: Por Graziela Rezende

13.08.2019

A falsa sargento do Exército, Alzira de Jesus Araújo, de 40 anos, que usa tornozeleira eletrônica desde o mês anterior, após aplicar golpes e cobrar até R$ 30 mil de vítimas, usava o nome de um militar do Exército, no qual ela dizia conhecer e que facilitaria o processo de entrada na instituição.

Segundo a delegada Cláudia Gerei, responsável pelas investigações, essa pessoa foi intimada e prestou depoimento. "Nós já relatamos o inquérito e encaminhamos ao Poder Judiciário. Antes, no decorrer das investigações, ele foi identificado e fizemos um inquérito bem detalhado, no qual ficou comprovado que ele não tinha nada a ver com o crime. Ela agia sozinha", afirmou.

Ainda conforme a delegada, o militar disse que apenas se lembra que a conheceu em um curso de paraquedismo. "Ela então coletou informações sobre ele e usava o nome dele, enquanto aplicava os golpes nas vítimas. Além dele, a filha da acusada, além de outras vítimas, também prestaram depoimento", comentou.

Filha alegou que acusada "torrava dinheiro das vítimas com coisas de mulheres"
A jovem, de 22 anos, foi uma das pessoas que prestaram depoimento na Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes de Defraudações e Falsificações (Dedfaz). Ela comentou que já tinha desconfianças do golpe.


"A filha já havia registrado um boletim de ocorrência, falando do modus operandi de mãe. Ela desconfiou do crime e elas tiveram uma briga por conta do disso, quando a menina se mudou do local. O imóvel era alugado e a Alzira também teria se mudado para morar com os avós. Depois, ela teria conhecido uma pessoa e foi morar com ele. A menina então retornou e foi ficar com os avós, por questão de economia", afirmou na ocasião a delegada Cláudia.

De acordo com o depoimento da jovem, a mãe não ajudava em nada os avós e era extremamente consumista. "Ela falou que a mãe exigia o carro dela e também a conta bancária, até o momento em que não aguentou mais, foi lá e cancelou tudo. Pelo que disse, o dinheiro das vítimas caía e ela já sacava tudo. Nunca tinha saldo e ela disse que a mãe provavelmente gastava tudo com roupas, salão e maquiagem", ressaltou Gerei.

Ainda conforme a delegada, a jovem alegou que perdeu um emprego estável por conta da mãe. "Ela vestia a farda logo cedo, pegava o carro, deixava a filha no emprego e depois retornava no final do dia, usando a roupa e dizendo que tinha trabalhado o dia todo. Nós vamos ouvir outras três vítimas citadas pela filha, agora em outro procedimento, por conta do prazo. A filha também disse que a Alzira tinha muitas dívidas, devia na praça, sempre tinha gente cobrando ela lá".

No mês de julho deste ano, a mulher teve a prisão convertida e foi encaminhada para o presídio.

Suspeita alega que facilitaria o ingresso no exército para as carreiras de sargento e oficiais temporários
A mulher foi presa no dia 26 de junho deste ano. Segundo a polícia, ela cobrava de R$ 4 mil até R$ 30 mil para "facilitar" o suposto ingresso nas carreiras de sargento e oficiais temporários. Após três meses de investigação, os policiais chegaram inclusive a apurar que ela esteve em eventos políticos, nos quais chegou a ser recebida por um candidato a governador e até "prestavam continência para ela".

O Exército ressaltou que ela não faz parte do quadro de funcionários. "Ela tinha contato pessoal com as vítimas e ia pessoalmente receber o dinheiro, alegando que já tinha pago as pessoas envolvidas. Nós encontramos vítimas que pagaram R$ 4 mil, R$ 7 mil, R$ 15 mil, R$ 18 mil e até R$ 30 mil para ela. Agora, a investigação continua porque nem todas elas compareceram na delegacia", afirmou na ocasião o investigador do Grupo de Operações e Investigações (GOI), que há 3 meses apura a conduta da suspeita.

Com o dinheiro arrecadado, a polícia aponta que Alzira de Jesus Araújo fez uma festa para a filha e também viajou para a praia, onde inclusive passeou de lancha. "Temos fotos das redes sociais nela, que constam no inquérito de estelionato, crime no qual ela é reincidente. A mulher ainda tem um antecedente por furto", explicou o policial.

Sobre a farda, a suspeita alegou que teria pego da filha, que seria "convocada em breve". No entanto, ela negou os crimes e disse que as roupas pertenceriam à suspeita.

Investigação aponta ao menos 15 vítimas, 4 delas já estiveram na delegacia
A investigação aponta ao menos 15 vítimas, sendo que 4 delas já registraram boletim de ocorrência na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Piratininga. Para as vítimas, ela dizia que havia três vagas, mas, que para conseguir ingressar na força, era preciso o repasse de alguns valores em dinheiro para o pagamento de Guias de Recolhimento da União (GRU), que também eram falsas.

A polícia passou a investigá-la após uma denúncia de que "uma pessoa de fora da instituição e não capacitada ou autorizada, estava falando sobre concursos militares em nome do Exército e cobrando de potenciais candidatos para facilitar o ingresso". Questionadas, as vítimas comprovaram o crime e repassaram dados dela, quando a investigação iniciou o monitoramento. Com Alzira também foram apreendidos botons, coturnos e diversas fardas do Exército.

Fonte: G1/MS

Voltar ao Topo

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Envie sua notícia

(67) 99968-0055

© 2019 Diário MS News. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Livre reprodução, transmissão ou redistribuição dos conteúdos sem edição. Pede-se a citação do crédito.

Site desenvolvido por: