R$ 5 bilhões é o preço para mudar o calendário das eleições municipais

28.06.2020

Do Centrão, o grupo dos partidos mais fisiológicos com representação no Congresso, pode-se dizer tudo – menos que não goste de dinheiro e de outras vantagens como cargos no governo.

Os líderes do Centrão na Câmara dos Deputados se recusam a aprovar o adiamento das eleições municipais marcadas para outubro. O adiamento já foi aprovado no Senado.

Não se sabe quando o coronavírus se dará por satisfeito com o número de mortos e de contaminados coletados por aqui. Sabe-se, contudo, que em setembro ele ainda produzirá estragos.

Daí a transferência das eleições para novembro. Em último caso, elas poderão ser realizadas somente em dezembro. Mas o Centrão é contra. Exige respeito às datas fixadas na Constituição.

Mas como o Centrão não seria o que é se não fosse capaz de transigir, concorda com o adiamento ao preço de 5 bilhões de reais a serem repartidos com prefeituras que ele indicar.

Há 5 bilhões sem destinação no Orçamento da União. Não será preciso subtrair dinheiro de nenhuma área. Com tal montante, prefeitos do Centrão poderão se reeleger ou eleger seus candidatos.

Por Ricardo Noblat 

Fonte: Ricardo Noblat

Voltar ao Topo

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Envie sua notícia

(67) 99968-0055

© 2019 Diário MS News. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Livre reprodução, transmissão ou redistribuição dos conteúdos sem edição. Pede-se a citação do crédito.

Site desenvolvido por: