Eleição 2022: cinco pré-candidatos se destacam para governar Mato Grosso do Sul

Os eleitores de Mato Grosso do Sul citaram na última pesquisa do Instituto Ranking Brasil, cinco políticos com chances reais de vitória para governar o estado. Diferentemente 2018 quando somente 2 nomes se destacaram, a disputa de 2022 promete ser mais acirrada.

Vejam os cinco políticos que ganharam destaques nos bastidores, na mídia tradicional e nas redes sociais, com a divulgação da última pesquisa realizada em 35 municípios do estado.

Confira:

ANDRÉ PUCCINELLI

Ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (MDB), confirmou que é pré-candidato em 2022 pelo partido. Puccinelli, que hoje tem 73 anos, conta que segue exercendo a profissão como médico e falando com as pessoas, mas que aceitou ser o pré-candidato do partido devido a densidade eleitoral confirmadas em pesquisas. “Não há impedimento legal, nem de agora e nem no futuro, que me impeça de ser candidato a governador. Sou ficha limpa!” declarou.

ROSE MODESTO

Professora Rose (PSDB) foi a deputada federal mais votada em Mato Grosso do Sul em 2018 e, proporcionalmente, uma das mais bem votadas do País. “Meu nome está aparecendo bem nas pesquisas de intenção de voto. Este é um ponto. Contudo, existem outras questões que precisam ser avaliadas, amadurecidas. Nunca fui e nunca serei candidata de mim mesma. Quero estar numa disputa majoritária. Porém, definirei depois de olhar nos olhos dos eleitores, de ter com eles a legitimação para avançar, devo mudar de partido, não por intrigas, mas sim em busca de espaço”, pondera.

MARQUINHOS TRAD

O PSD de Mato Grosso do Sul aguarda a decisão do prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), para definir se terá candidato ao governo. Para entrar na disputa, ele terá que renunciar ao cargo até dia 2 abril de 2022, prazo máximo para se descompatibilizar e entrar na corrida pela sucessão estadual. Até lá, os movimentos não passam de balão de ensaio. Nos bastidores, Marquinhos mostra estar em dúvida justamente pela questão da renúncia.

Por outro lado, tramita na justiça eleitoral ação que prevê a inelegibilidade do prefeito Marquinhos Trad, por irregularidades cometidas no último pleito eleitoral. Na ação de investigação judicial por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação mostra-se um quadro de extrema gravidade. Os processos seguem na 053ª Zona Eleitoral (0600471-62.2020.6.12.0053 e 0600469-92.2020.6.12.0053) Veja os processos na integra nos links:

https://drive.google.com/file/d/1HMY4zJB9h0vRni1tKXrtgw66yCl_exnh/view

https://drive.google.com/file/d/1cdsLgLnaoXT2uHY4Eq89vAK_VR5wiwj4/view

EDUARDO RIEDEL

O secretário de Infraestrutura de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB), afirmou ter sido surpreendido de maneira positiva com sua posição na pesquisa e que acredita que atingiu esta marca pelo trabalho realizado no seu tempo na secretaria, pois não possuí carreira na política. “Para mim é uma surpresa, eu nunca fui político e todos os outros candidatos têm no mínimo 20 anos de política. Até me surpreendeu positivamente porque eu nunca participei da política, nunca estive envolvido nesse processo”, declara Riedel.

O desempenho de Eduardo Riedel demonstra uma boa performance e grande potencial eleitoral se considerados os resultados obtidos pelos demais adversários. Trata-se de um pré-candidato que jamais disputou qualquer eleição mas que pontua muito bem considerando-se que todos os demais adversários ou já exerceram ou ainda hoje exercem cargos eletivos. “Eduardo Riedel, está preparado para governar o estado, é o nosso pré-candidato a governador, não existe plano B”, disse recentemente o presidente do PSDB, Sérgio de Paula.

ZECA DO PT

Afastado de funções políticas desde 2019 quando deixou a presidência estadual do partido e passou a cuidar de seu sítio em Dois Irmãos e de sua Pousada Pantaneira na foz do rio Apa em Porto Murtinho, o ex-governador Zeca do PT está animado com a ideia de disputar o Governo de Mato Grosso do Sul no ano que vem.

Com a volta de Lula ao cenário nacional após recuperar seus direitos políticos, o PT busca nomes competitivos nos estados para as eleições de 2022 para reforçar possíveis palanques do ex-presidente, e em MS o ex-governador é o mais forte nome do partido.

PESQUISA ESPONTÂNEA

Na espontânea, o ex-governador André Puccinelli (MDB) tem 14% das citações, seguido pela deputada federal Rose Modesto (com saída anunciada do PSDB) com 9,30%; em terceiro está o prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD), com 8,10%; em quarto lugar está o secretário estadual de Infraestrutura Eduardo Riedel (PSDB) que pontuou 5%; e em quinto lugar está o ex-governador Zeca do PT (PT), com 4,05%.

Depois aparecem, pela ordem, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM), com 3,20%; o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PSD), com 2,30%; senador Nelsinho Trad (PSD), com 2% os deputados estaduais Capitão Contar (PSL), com 0,75%; João Henrique Catan (PL, com 0,55%, o ex-prefeito de Mundo Novo Humberto Amaducci (PT), com 0,40% e por último está o deputado estadual Bolsonarista Coronel David (sem partido), com 0,35%). Outros candidatos somaram 1% e 49% são os indecisos, os que votam nulo ou em branco e os que não sabem ou não responderam.

ESTIMULADA 1

Uma das simulações com a consulta estimulada e reunindo 9 prováveis candidaturas, traz André Puccinelli na dianteira, com 21,30%, e Rose Modesto em segundo, com 15,50%. Em seguida estão Marquinhos Trad (14,10%), Eduardo Riedel (9,20%), Zeca do PT (8%), Odilon de Oliveira (3,05%), Capitão Contar (2%), João Henrique Catan, (1,40%) e Coronel David (1%). Indecisos, votos nulos e em branco, não sabem e não responderam 24,45%.

ESTIMULADA 2

Em outro cenário na estimulada com cinco nomes, André Puccinelli continua na dianteira, com 23,10%; Rose Modesto 17,40%; Marquinhos Trad (16%), Eduardo Riedel (11%) e Zeca do PT (9,15%). Indecisos, votos nulos e em branco, não sabem e não responderam 23,15%.

ESTIMULADA 3

Uma terceira simulação por meio de consulta estimulada considerou três candidaturas (sem Marquinhos Trad e Zeca do PT): Puccinelli 33,15%, Rose (22%) e Riedel (14,50%). Somam 30,35% os indecisos, os que votam nulo ou em branco e os que não responderam ou não sabem.

ESTIMULADA 4

Uma quarta simulação por meio de consulta estimulada considerou três candidaturas (sem Puccinelli e Zeca do PT): Rose Modesto (30,25%), Marquinhos Trad (24,15%) e Eduardo Riedel (15,40%). Somam 30,20% os indecisos, os que votam nulo ou em branco e os que não responderam ou não sabem.

ESTIMULADA 5

Uma quinta simulação por meio de consulta estimulada considerou três candidaturas (sem Rose Modesto e Zeca do PT): André Puccinelli (30,10%), Marquinhos Trad (24,35%) e Eduardo Riedel (15%). Somam 30,55% os indecisos, os que votam nulo ou em branco e os que não responderam ou não sabem.

ESTIMULADA 6

Uma quinta simulação por meio de consulta estimulada considerou três candidaturas (sem Eduardo Riedel e Zeca do PT): André Puccinelli (30,20%), Rose Modesto (23,15%) e Marquinhos Trad (21,30%). Somam 25,35% os indecisos, os que votam nulo ou em branco e os que não responderam ou não sabem.

ESTIMULADA 7

Uma quinta simulação por meio de consulta estimulada considerou três candidaturas (sem Marquinhos Trad e Rose Modesto): André Puccinelli (33%), Eduardo Riedel (20,40%) e Zeca do PT (17,10%). Somam 29,50% os indecisos, os que votam nulo ou em branco e os que não responderam ou não sabem.

REJEIÇÃO

Na pergunta sobre em quem os eleitores não votariam de jeito nenhum, o mais citado é Zeca do PT, com 30,35%. O segundo em rejeição é Andre Puccinelli, com 25,70%, em terceiro lugar está Marquinhos Trad (13,25%), Odilon (10,40%), Coronel David (8,10%), Capitão Contar (6,45%), Rose Modesto (4,50%), Eduardo Riedel (3,65%) e Henrique Catan (2,20%). Os que não responderam ou não sabem, os que votam em branco ou anulam o voto e os indecisos somam 7,85%.

DADOS

O Instituto Ranking Brasil fez duas mil entrevistas de 10 a 14 deste mês de dezembro de 2021 em 35 municípios de Mato Grosso do Sul. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro máxima 2% pontos percentuais, para mais ou para menos. Pesquisa do tipo quantitativa, por amostragem, com aplicação de questionário estruturado em entrevistas por telefone, sistema CATI (Computer Assisted Telephone Interviewing) e presencial. Significa que todos tiveram a mesma chance de serem sorteados para responderem ao questionário.

http://www.rankingpesquisa.com.br

SOBRE A EMPRESA

O Instituto Ranking Brasil realizou, durante o ano de 2021, cinco levantamentos de dados em nível estadual e, neste sentido, espera ter contribuído para o processo eleitoral de 2022 de forma imparcial e com números precisos.

Em 2018, foi a única empresa de pesquisa a acertar que haveria segundo turno em Mato Grosso do Sul, assim como os resultados para governador e Presidente da República.

Em 2020, realizou pesquisas em 51 municípios, nos quais obteve o maior número de acertos, com destaque para a capital do estado. Mais recentemente, “cravou” o resultado da eleição da OAB/MS em novembro de 2021.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também