SES realiza capacitação sobre ‘Atualização do Manejo Clínico da Febre Chikungunya’

Para auxiliar na identificação precoce da Febre Chikungunya para a tomada de decisões e implantação de medidas de maneira oportuna, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) realiza nesta sexta-feira (2) a web aula ‘Atualização do Manejo Clínico da Febre Chikungunya’. A transmissão tem início às 13h30 e acontece por meio da Plataforma Telessaúde MS.

Conforme a médica infectologista, Dra. Andyane Tetila, a palestra visa melhorar a qualidade no manejo clínico das arboviroses – Dengue, Zika e Chikungunya – no atual momento epidemiológico, a fim de qualificar os profissionais e, assim, reduzir casos com complicações, gravidade e até óbitos.

“No caso da Chikungunya, um diagnóstico em fase precoce, com adequado manejo, pode evitar complicações crônicas e debilitantes dos pacientes”, explica Andyane.

Entre os assuntos que serão abordados estão: sinais, sintomas e tratamento do paciente com febre Chikungunya, a classificação de acordo com avaliação de quadro clínico para o manejo adequado e a importância da classificação de risco nos serviços.

A palestra será ministrada pela médica infectologista, Dra. Andyane Tetila, e tem como público-alvo médicos e enfermeiros do estado. O acesso à web aula pode ser feito através do link: https://participe.saude.ms.gov.br/forms/.

 Arboviroses

O combate ao mosquito Aedes aegypti é de extrema importância. Além da Dengue, o mosquito também é responsável pela transmissão de duas graves enfermidades: a Zika e a Chikungunya.

Para controlar a proliferação do mosquito é preciso evitar água parada, em qualquer época do ano, mantendo bem tampado tonéis, caixas e barris de água, caixas d’agua; acondicionar pneus em locais cobertos; remover galhos e folhas de calhas; não deixar água acumulada sobre a laje; encher pratinhos de vasos com areia até a borda ou lavá-los uma vez por semana e fazer sempre a manutenção de piscinas.

Além disso, é importante trocar água dos vasos e plantas aquáticas uma vez por semana; colocar lixos em sacos plásticos em lixeiras fechadas; fechar bem os sacos de lixo e não deixar ao alcance de animais; manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo; tampar ralos; catar sacos plásticos e lixo do quintal, entre outras medidas que impeçam o acúmulo de água e de sujeiras.

Kamilla Ratier, Comunicação SES
Foto: Arquivo/SES

Facebook
Twitter
WhatsApp

Leia Também