Residentes auxiliam na recuperação de pessoas com sequelas da Covid-19

Por meio de uma parceria entre a UFMS e o Centro Especializado em Reabilitação da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (CER/Apae) residentes do programa Multiprofissional em Saúde: reabilitação física realizam atendimentos de pessoas que tiveram Covid-19 em Campo Grande.

“O CER/Apae é centro de referência para reabilitação e cuidados paliativos de pessoas que ficaram com sequelas cardiorrespiratórias pós Covid-19, em decorrência da manifestação de casos graves. Todos são usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)”, destaca o professor do Instituto Integrado de Saúde (Inisa) e coordenador da Clínica Escola Integrada (CEI) da UFMS, Ramon Moraes Penha.

De acordo com o coordenador do CER/APAE e fisioterapeuta, Paulo Henrique Muleta Andrade, a ideia de criar um ambulatório para reabilitação cardiorrespiratória e neuromotora para as pessoas que apresentassem comprometimentos pós Covid-19 surgiu em março do ano passado. “A proposta foi acatada pelo secretário de Saúde do Município de Campo Grande, José Mauro, e o início os atendimentos ocorreu em setembro de 2020, sendo pioneiro no Brasil. O ambulatório de reabilitação conta com equipamentos e profissionais altamente especializados e a equipe é composta por: cardiologista, neurologista, nutricionista, fisioterapeuta, enfermeiro, psicólogo, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, assistente social, entre outros”, explica Paulo.

No CER/Apae, os pacientes passam pela triagem e classificação. “Os casos mais graves são atendidos no próprio CER. A Clínica Escola recebe pacientes estratificados em condições clinicas que requeiram cuidados da atenção secundária de assistência à saúde”, detalha o professor Ramon. Os atendimentos são realizados por profissionais residentes das áreas de Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição, Terapia Ocupacional, Psicologia, Terapia Ocupacional e Fonoaudiologia. “Atualmente, temos uma turma de R1 e uma turma de R2, totalizando 13 residentes que atuam no CER e na Clínica”, completa Penha.

“A ação objetiva otimizar a qualidade de recuperação e de vida dos pacientes sobreviventes à Covid-19, potencializando a performance cardiorrespiratória e minimizando a ocorrência de agudização de agravos secundários, como crise hipertensiva, picos hiper ou hipoglicêmicos, entre outros”, ressalta o coordenador da CEI.

Segundo o coordenador do CER/Apae, o número atual de pacientes ativos da unidade é de mais de 100 mil. “Isso significa que nos últimos 12 meses, cada um desses pacientes realizou pelo menos um atendimento de saúde. Com a parceria vigente entre UFMS e APAE, toda a comunidade sul-mato-grossense é beneficiada, pois a maior instituição de ensino superior do Estado, possibilita desenvolvimento tecnológico e inovação na saúde da pessoa com deficiência”, enfatiza. Ele também destacou que a união de esforços entre as duas instituições vem contribuindo para o fortalecimento de ações vinculadas à grande área da saúde da pessoa com deficiência. “Várias foram as conquistas, entre elas: criação do primeiro programa de residência multiprofissional em reabilitação física do Brasil, inclusão de projetos e profissionais em programas de mestrado e doutorado, com ênfase na saúde da pessoa com deficiência, produções técnicas e científicas”, diz Paulo, que também é professor.

“Entrei na residência em março de 2020. Nosso campo prático acontece tanto na Clínica Escola como no CER/Apae. Prestamos atendimento em pessoas com amputação, que tiveram acidente vascular cerebral, paralisia, entre outros, além, claro, de pessoas que têm sequelas da Covid-19. Esta parceria com o CER é muito importante, pois conseguimos trabalhar com outras profissões, com o objetivo de prestar melhor atendimento aos pacientes e, assim, contribuir para uma melhor qualidade de vida”, explica o fisioterapeuta e residente Maurício Rodrigues Comin. “Sempre falo para quem está terminando a graduação: faça a residência, venha pra UFMS. Essa parte da reabilitação física, com esse campo aqui no CER/Apae é muito legal. Quando de fato acontece este atendimento multiprofissional, isso se torna uma realidade, conseguimos acelerar o processo de recuperação dos pacientes”, destaca Maurício que é R2 no programa Multiprofissional em Saúde.

Para o nutricionista Samuel Ramos Ortiz a experiência tem sido interessante e rica, devido a diversidade de casos. “Atender os pacientes com síndrome pós Covids-19 tem sido uma experiência muito interessante para a minha carreira profissional. Isto porque cada paciente traz um sintoma diferente e com isso as estratégias nutricionais também precisam diferir. O plano alimentar desses pacientes, em geral, deve ser rico em proteínas, em vitaminas do complexo B e em antioxidantes, provenientes das folhas verde-escuras e das frutas. Mas, também gosto de associar a prescrição de módulos proteicos e, se necessário, suplementos vitamínicos ou antioxidantes, como a coenzima Q-10, a curcumina, entre outros. E, felizmente, tenho tido bons resultados da minha conduta e aprendo a cada dia novas estratégias de controle de dor e de suporte às outras áreas multiprofissionais”, relata Samuel, que também é R2 no programa.

Saiba mais

Para ser atendido no CER/Apae, faz-se necessário regulação via sistema de regulação de vagas, o Sisreg. O atendimento é exclusivo para os moradores de Campo Grande – MS. A unidade está localizada na Rua Carlinda Tognini, 251, na Vila Progresso. O telefone é (67) 3045-5005. Mais informações também podem ser obtidas pelo e-mail [email protected] ou no site http://apaecg.org.br/cer/

A Clínica Escola Integrada é uma unidade prestadora de serviços em saúde do Inisa da UFMS. Iniciou suas atividades em 2014 e, desde então, tem por finalidade ações de ensino, pesquisa para melhor formação acadêmica dos estudantes de graduação e pós-graduação, prioritariamente dos cursos de Enfermagem, Fisioterapia e Nutrição. Localizada na Cidade Universitária, tem como objetivos: promover a articulação com a comunidade visando à ampliação da rede de acesso à saúde; manter e ampliar o intercâmbio acadêmico, técnico e cientifico com instituições congêneres afins, nacionais e internacionais e, colaborar com o sistema de saúde local e regional, sob as premissas da interdisciplinaridade e transdisciplinaridade, organicidade das ações, na forma de Linhas de Cuidado e por Ciclos de Vida: 1º ciclo: Perinatalogia; 2º Ciclo: Criança e Adolescente; 3º Ciclo: Adulto Jovem/Adulto e 4º Ciclo: Pessoa Idosa. A CEI funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 11h e das 13h às 17h. Para mais informações sobre atendimentos entre em contato pelo telefone (67) 3345-7967 ou, ainda, pelo e-mail [email protected].

Texto: Vanessa Amin

Fotos: Apae/CG

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também