Em reunião na ALEMS, secretário informa queda recorde no abandono escolar

O índice de abandono escolar na rede estadual de Mato Grosso do Sul caiu para menos de um porcento, o menor valor já verificado pela Secretaria de Educação. O número foi informado na tarde desta quarta-feira (21) pelo secretário Hélio Queiroz Daher durante reunião realizada com a Comissão de Educação, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Professor Rinaldo Modesto (Podemos). No encontro, o secretário apresentou à Comissão dados de 2023, o primeiro da gestão do atual governo, dando destaque à maior frequência dos alunos nas escolas.

“No ano passado, conseguimos uma grande vitória: a diminuição do abandono escolar. Esta é uma das nossas maiores missões: tirar o estudante da rua, trazê-lo de volta para a escola. Hoje, temos menos de 1% de jovens que deixam a escola. Isso talvez seja a grande conquista do nosso primeiro ano de gestão”, enfatizou o secretário ao final da reunião.

Secretário avaliou 2023 e fez projeções para este ano

Em 2023, 1.560 estudantes das escolas públicas estaduais deixaram de frequentar as aulas. Essa parcela representou 0,93% do total de alunos matriculados. No ano anterior, o índice de abandono foi de 1,26%, o equivalente a 2.184 estudantes. Em números absolutos, o universo de crianças e jovens que abandonaram os estudos reduziu em 624 de 2022 para 2023.

Segundo a Secretaria de Educação (SED), o valor do ano passado é expressivo por ser o menor já verificado pela pasta. O índice de abandono escolar em Mato Grosso do Sul, em anos anteriores, já chegou a estar em dois dígitos. Para o controle do Governo, configura-se abandono quando o estudante deixa de frequentar, no mínimo, 60 dias de aula. Caso não renove a matrícula no ano seguinte, o aluno entra na estatística de evasão escolar.

O dado destacado pelo secretário integra outros resultados, avaliados positivamente pelo deputado Professor Rinaldo. “A educação é muito complexa. A gente sabe que envolve vários atores. Vivemos num momento tão difícil, com os problemas familiares, com os problemas do ponto de vista econômico, social. E tudo isso desemboca na educação. Então, a educação precisa de bons gestores. E Mato Grosso do Sul tem dado passos bem à frente neste sentido”, considerou o parlamentar.

Também participaram da reunião os demais integrantes da Comissão de Educação: os deputados Junior Mochi (MDB), vice-presidente do grupo, e Caravina (PSDB), e as deputadas Gleice Jane (PT) e Mara Caseiro (PSDB).

Outros resultados

O secretário Hélio Daher entregou aos deputados da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, documento com dados relativos a projetos educacionais desenvolvidos em 2023 e projeções para 2024. Em relação a escolas com turmas em tempo integral, o Governo pretende, neste ano, ampliar de 166 para 218 unidades, passando de 70 para os 79 municípios que ofertam a modalidade. A meta é chegar a 48.838 estudantes matriculados nessas escolas.

Entre outros dados de 2023 e projeções para este ano, o secretário apresentou as seguintes informações: atendimento de 15 mil estudantes na educação profissional; 16 escolas com lousas digitais, contemplando 10.266 alunos; 134 unidades escolares com kits de robótica, abrangendo 50.918 estudantes; e criação do Programa Alfabetiza MS Indígena, que garantirá produção de material de apoio para alfabetização em língua materna de indígenas das etnias Guarani, Kaiowá, Kadiwéu e Terena de 24 municípios.

Volta às aulas

A reunião do secretário Hélio Daher com a Comissão de Educação ocorre no mesmo dia da volta às aulas na rede estadual. Nesta quarta-feira, 180,5 mil estudantes iniciaram as aulas nas 349 unidades escolares da rede estadual de ensino nos 79 municípios de Mato Grosso do Sul.

Por: Osvaldo Júnior   Foto: Wagner Guimarães

Facebook
Twitter
WhatsApp

Leia Também