Meu nome fica limpo depois de 5 anos de dívida? Confira se é Verdade ou Mito.

Ficar com o nome sujo na praça é um grande problema que mais de 60 milhões de pessoas no país passam atualmente. Um dos grandes problemas de se ter o nome sujo é a extrema dificuldade para conseguir um cartão de crédito, financiamento de um automóvel ou de um imóvel, assim como qualquer outra solicitação de dinheiro.

Contudo, se você se encontra com o nome sujo, em algum momento já ouviu falar ou já se perguntou se a dívida realmente caduca após 5 anos. Hoje estamos aqui para responder as principais dúvidas quanto ao tema.

O nome fica limpo após 5 anos?

Sim! Depois de 5 anos o seu nome pode ficar limpo novamente, pois a dívida que negativou o seu nome caduca. Isso significa que você não poderá mais ser negativado pela mesma dívida e seu nome será removido dos órgãos de proteção ao crédito como o SPC e Serasa.

Além disso, o cobrador da dívida ainda perderá o direito de exigir que tal cobrança seja feita na justiça ou ainda de protestar a dívida em um cartório. Mas vale lembrar que a cobrança ainda poderá ser feita pelo cobrador, a dívida só será motivo de negativação do nome.

Também é importante verificar as datas de suas dívidas, por exemplo, se você tem uma dívida a 4 anos, ela deverá caducar no seu 5º ano. Contudo, ao contrair uma nova dívida, essa nova dívida tem o período de 5 anos para caducar e seu nome continuará sujo mesmo que a primeira dívida tenha caducado.

O que acontece com a dívida

Assim que a dívida venha a caducar, isso não significa que a dívida deixa de existir, como dito anteriormente ela ainda pode ser cobrada, ou seja, a dívida só não poderá mais ser objetivo de negativação no cadastro de proteção ao crédito.

Assim, quando a dívida sai dos órgãos de proteção ao crédito, ela fica armazenada em um banco de dados ligado ao Banco Central. Logo, ela ainda poderá ser consultada pelas empresas que tenham interesse em saber mais sobre o seu histórico financeiro, e dependendo da situação, dificultar a obtenção de crédito.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também