Compromisso com a preservação do meio ambiente é responsabilidade de toda a sociedade, afirma especialista do Senac EAD

Ações e projetos vêm alertando a população sobre riscos no abastecimento de água, mudanças climáticas e degradação da fauna e flora brasileira

Em 2021, o Dia Mundial do Meio Ambiente será marcado pelo lançamento oficial da “Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas”. A estratégia desenvolvida pela Organização das Nações Unidas (ONU)* tem objetivo de alertar sobre a urgência da sociedade repensar as atitudes em relação ao meio ambiente.

Na edição atual, as ações estão focadas na prevenção e restauração dos ecossistemas degradados, de forma a combater as crises: climática, alimentar, hídrica e dos biomas mundiais. Nesse sentido, a organização propôs um envolvimento que inclui todos os setores da sociedade, utilizando o ambiente virtual como ponto de difusão e a adoção da hashtag #GeraçãoRestauração.

No cenário nacional, a grande preocupação é com a proteção da floresta Amazônica, por ser um dos principais reguladores do regime de chuvas no país, e consequentemente, reflete na segurança alimentar, energética e no clima global.

A coordenadora dos cursos Técnicos em Meio Ambiente e Qualidade do Senac EAD, Marília Coelho Teixeira, explica que a atenção ao bioma se justifica pelos números registrados no monitoramento do projeto Mapbiomas**. Em 2019, foi identificado que a cobertura florestal original do bioma registrou 79,83% da área total. “Atualizando os dados, a situação continuar a preocupar, pois o Instituto Imazon revelou que a Amazônia perdeu 810 quilômetros quadrados de floresta em março. Em comparação ao mesmo período de 2020, o crescimento de desmatamento foi de 216%”.

Compromisso global

Dados divulgados pelo Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG)***em 2015 revelaram que o Brasil estava entre os 10 países que mais emitiam gases do efeito estufa no mundo, responsável por 2,48% do total. A partir de um acordo internacional firmado este ano, o governo brasileiro se comprometeu a estabelecer o ‘desmatamento ilegal zero’ até 2030 e neutralizar as emissões até 2050.

“É responsabilidade da população brasileira cobrar os governantes a cumprirem as legislações ambientais, a fim de reduzirmos o quanto antes o desmatamento ilegal da Amazônia. Lembrando que os prejuízos ao meio ambiente atingirão a população global”, argumenta a especialista.

Diversas soluções tecnológicas estão em andamento no país e uma das mais relevantes é a implantação da energia solar nas empresas e indústrias. A docente do Senac EAD explica que o sistema é considerado uma energia limpa e sustentável, já que auxilia na redução da construção de usinas térmicas e nucleares. “Estas empresas causam impactos ambientais negativos, por serem projetos que emitem gás de efeito estufa pela queima de combustível fóssil. No caso das nucleares, oferecem risco às pessoas e sérios problemas ambientais devido ao armazenamento do lixo atômico”, pontua.

Demanda profissional

Diante dos compromissos assumidos com o meio ambiente global, os setores industriais, empresariais e públicos demandam cada vez mais por profissionais qualificados. No Senac EAD é possível aperfeiçoar os conhecimentos (cursos livres, graduação, pós-graduação) e ainda, ingressar em uma nova carreira, como de Técnico em Meio Ambiente.

Esse profissional é preparado para atuar em organizações públicas, privadas e não governamentais em diversos segmentos: serviços, comércio, indústria, extensão rural, tratamento de resíduos sólidos e efluentes, abastecimento e tratamento de água, empresas de licenciamento ambiental, unidades de conservação, cooperativas, associações, portos e aeroportos.

Marília destaca que o perfil profissional procurado pelos empregadores avalia: comprometimento, colaboração, proatividade e visão crítica. Também precisa saber trabalhar em equipe, pois estará sempre em contato com diversos profissionais.

Temas em alta

Um dos debates da atualidade é a implementação de ‘Cidades Verdes’ ou ‘Cidades Inteligentes’. O objetivo do projeto é investir no planejamento de construções urbanas que priorizem o tripé da sustentabilidade: meio ambiente, economia e sociedade.

A especialista do Senac EAD reforça que existem inúmeras ações para adequar as cidades no modelo ambientalmente correto e cita exemplos práticos que podem ser adotados no cotidiano das famílias. “Investir ou consumir produtos agroecológicos (hortas domésticas, escolares e comunitárias), reduzir o consumo e desperdício de água, energia, alimentos e adotar o hábito de reciclagem, são iniciativas simples e que terão impacto positivo na vida em comunidade”, finaliza.

Outras iniciativas citadas pela docente são: recuperação e preservação de nascentes e cursos d’água, criação e ampliação de ciclovias, estímulo ao uso de fontes alternativas de energia limpa (solar e eólica), construção de calçadas verdes que favorecem o escoamento das águas de chuva, coleta e tratamento adequado dos resíduos sólidos.

Fontes: ONU

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também