Boletim Epidemiológico: MS registra 9.864 casos confirmados de dengue no ano

Mato Grosso do Sul já registrou 19.957 casos prováveis de dengue, sendo 9.864 casos confirmados em 2024, de acordo com dados do boletim da 21ª semana epidemiológica divulgado nesta quarta-feira (28). Segundo o documento, 19 óbitos foram confirmados em decorrência da doença e outros 15 estão em investigação.

Nos últimos 14 dias Japorã lidera o ranking dos municípios com alta incidência da doença seguido Itaquiraí.

Já os óbitos registrados ocorreram nos municípios de Maracaju, Chapadão do Sul, Coronel Sapucaia, Dourados, Laguna Carapã, Naviraí, Sete Quedas, Amambai, Paranhos e Ponta Porã. Entre as vítimas, 9 delas possuíam algum tipo de comorbidade.

Vacinação

Ainda conforme o boletim, 47.609 doses do imunizante já foram aplicadas na população-alvo para a vacinação. Ao todo, Mato Grosso do Sul já recebeu do Ministério da Saúde 101.619 doses do imunizante contra a dengue. O esquema vacinal é composto por duas doses com intervalo de três meses entre as doses.

A vacinação contra a dengue é recomendada para crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos, 11 meses e 29 dias de idade, faixa etária que concentra o maior número de hospitalização por dengue, dentro do quadro de crianças e adolescentes de 6 a 16 anos de idade.

Chikungunya

Em relação à Chikungunya, o Estado já registrou 4.909 casos prováveis, sendo 600 confirmados. Não há óbitos registrados. Segundo dados do período compreendido entre a semana epidemiológica 20 até a semana epidemiológica 21, Antônio João apresenta alta incidência da doença seguido por Iguatemi, Jaraguari, Mundo Novo, Costa Rica, Amambai, Sete Quedas, Camapuã, Tacuru, Caarapó, Itaquiraí, Paranhos, Vicentina, Dois Irmãos do Buriti, Eldorado, Sidrolândia, Bodoquena, Douradina, Angélica, Maracaju, Batayporã, Ponta Porã e Anastácio.

A SES alerta que as pessoas devem evitar a automedicação. Em caso de sintomas de dengue ou Chikungunya, a recomendação é procurar uma unidade de saúde do município.

Confira os boletins:

Marcus Moura, Comunicação SES
Foto: Bruno Rezende

Facebook
Twitter
WhatsApp

Leia Também