Contracheque de até R$ 89 mil evidencia pagamento ilegal pelo TJMS

Servidor recebeu pelo período de descanso não gozado, mas legislação não permite esse tipo de benefício

14.01.2020

Nos dias 24 e 25 de outubro de 2019, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) fez inspeção no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e, entre as denúncias recebidas, houve pedido de servidores para investigação do pagamento irregular de indenização por férias não gozadas, a popular venda, a funcionários públicos "escolhidos a dedo". Na época, não havia provas documentais. Agora, estão circulando em grupos de funcionários do Judiciário estadual contracheques que comprovariam essa prática, um de agosto de 2018 e o outro de junho de 2017. O valor bruto de um deles passa dos R$ 89 mil.

Os documentos se referem a funcionário com alto cargo no Tribunal. Consultado pela reportagem, o TJMS confirmou a situação e usou o termo “venda de férias” para dizer que o pagamento tem base legal. Mas conforme levantado pelo Campo Grande News a lei usada para respaldar a concessão do benefício ao servidor sequer cita essa possibilidade. Funcionários que procuragam a reportagem afirmam haver outros casos e por isso cobram investigação pelo CNJ.

Os holerites tornados públicos dizem respeito ao pagamento do mês de maio de 2017 e de julho de 2018 do servidor Marcelo Vendas Righeti, diretor-geral de Secretaria do TJ, cargo responsável por exemplo pela nomeação de servidores concursados. É a mais alta função na estrutura administrativa do TJMS. Nos dois holerites que vazaram, há pagamento de indenização do tipo. A consulta ao portal da Transparência da Corte também confirma os valores envolvidos.


Números- No primeiro contracheque, cujo valor bruto é de R$ 89,376,99, aparecem dois valores de R$ 7,8 mil a título de 1/3 de férias, dois montantes de R$ 23,520,26 e ainda o valor de R$ 3.136,03, com a rubrica “indeniz. férias lei 2531/02”. Com esse benefício, Righetti tem o salário multiplicado em 17 vezes, considerando o vencimento efetivo, de R$ 5.036,63, para o cargo de analista judiciário.

O valor líquido, com descontos como Previdência, cai para pouco mais de R$ 75 mil. Mais de R$ 57 mil são referentes ao ressarcimento pelas férias não aproveitadas. Além desse pagamento e do abono de um terço sobre o montante, Righeti teve direito à verba de representação de gabinete, de R$ 16,4 mil em maio de 2017.



 

Fonte: Campo Grande News

Voltar ao Topo

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Envie sua notícia

(67) 99968-0055

© 2019 Diário MS News. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Livre reprodução, transmissão ou redistribuição dos conteúdos sem edição. Pede-se a citação do crédito.

Site desenvolvido por: