A Comunicação Não-Violenta pode ajudar na reconquista amorosa?

Reprodução

Eu recebi uma mensagem no meu whats perguntando se a Comunicação Não-Violenta poderia ajudar numa reconquista amorosa. O que irei colocar aqui é um fato real e usarei nomes fictícios – Fernanda e José.

A Fernanda me trouxe a seguinte situação, segundo ela, um dos motivos que levou ao fim do relacionamento amoroso com José, por diversas vezes, foi a maneira dela se comunicar com ele, “apontando o dedo”, “acusando”, “culpando” e por aí vai…  e devido a isto, a relação foi se desgastando e José acabou se afastando. Depois de 2 meses distantes, Fernanda procurou José para uma conversa e ambos resolveram se dar uma nova chance já que queiram o relacionamento e sentiam uma sintonia natural como casal.

Desta vez, Fernanda não quer mais “meter os pés entre as mãos”, é um relacionamento de 4 anos, ela gosta muito de José e quer partilhar a vida com ele, e ela sabe que ele também gosta muito dela.

A Comunicação Não-Violenta pode sim e muito contribuir na melhoria da relação de confiança e fortalecimento dos vínculos entre as pessoas, pois ajuda as pessoas, primeiramente, aprenderem a se relacionar melhor consigo, para então, relacionar bem com o outro e consequentemente melhorando no seu em torno. Tem como pilares a empatia (uma qualidade de escuta), a autenticidade (uma qualidade de fala onde existe uma estrutura, um passo-a-passo para se expressar de uma forma que gere menos resistência), também se aprende a ser mais compassivo consigo e com o outro. E isto favorece a conexão.

Nós precisamos de um mapa e o legal de conhecer esta abordagem é que poderemos nos orientar de como fazer isso quando temos mais consciência do nosso mundo interno. Por meio deste conhecimento organizado e práticas, poderemos desenvolver estas habilidades e competências em nós, e ao internalizar estes princípios, acontecendo uma situação adversa no relacionamento, ao ter consciência e clareza do que está acontecendo, permitirá escolher um novo jeito de agir.

Quer ver um exemplo da importância do mapa?

Vamos imaginar que Fernanda ficou brava porque José não entrou em contato naquela noite em determinado horário em que eles costumavam a falar, e nas últimas semanas isto vinha se repetindo e ela foi segurando. Diante disto Fernanda começou a pensar que José estaria falando com outra mulher, que ela não seria mais importante para ele como antes, que ele é assim mesmo etc. E com isso, ela foi alimentando em sua mente os “monstrinhos”, gerando um turbilhão de pensamentos e sentindo cada vez mais raivas, frustrações, angústias, ressentimentos, tristezas…

Daí vem a importância de se perceber, onde se está no mapa?

Se Fernanda não tem este caminho claro dentro dela, certamente irá agir no impulso e com estes julgamentos em mente verá a desconexão começando acontecer em instantes, partindo para os ataques, gritos e acusações.

Neste exemplo: quais eram emoções/sentimentos de Fernanda? o que ela estava pensando ali? pensar e sentir isso a fez se comportar de que forma?

Quando se tem este conhecimento, pegar este mapa interno e abrir, é se dar conta de como estes pensamentos são sabotadores. Naquele momento em que ela constatou isto em si, percebeu que teria que mudar e sabe o que ela fez em 6 passos?

  1. Respirou;
  2. Sentou, pegou um papel, anotou todos os pensamentos, rótulos e julgamentos;
  3. Ao listar estes pensamentos, checou um por um, e avaliou se eram verdadeiros ou falsos;
  4. Ao validar que a maioria eram suposições e interpretações, começou a sentir um alivio;
  5. Escolheu fazer outras coisas que pudessem nutrir a sua alma, como, assistir a série preferida com os filhos;
  6. Esperou um momento oportuno para falar com José, checar o que tinha acontecido e dizer o que era importante para ela e o que também queria de uma forma mais clara e específica com relação ao ocorrido.

Comunicação Não-Violenta não é manipulação, não é obrigação, é um convite!

É aprender a conversar, a tecer juntos!

Neste caso da Fernanda e do José, os dois querem a relação e querem estar bem juntos. Que a CNV possa continuar contribuindo e muito na vida de vocês como casal. Felicidades!

Ana Paula Batistute

Consultora de Desenvolvimento Humano e Organizacional

Especialista em Comunicação Não-Violenta

www.icfbrasil.org/icf/codigo-de-etica

(67) 9 9963-4160

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também