2022: veja quem são os possíveis pré-candidatos ao cargo de governador em MS

Reprodução

São nomes indicados por partidos, por eles mesmos e até mesmo via especulações. Entre os que podem concorrer à função estão políticos em cargos públicos como senadores, secretários, deputados, prefeito e até mesmo juiz aposentado.

O presidente estadual do PSD, senador Nelsinho Trad, se reuniu com a comissão executiva estadual na segunda- -feira (19), quando fez um balanço e disse que a sigla já faz alinhamentos e cobrou comprometimento da equipe. “Temos vários nomes interessados em compor uma possível chapa nas próximas eleições. Quero mais comprometimento das comissões, que apoiem o PSD, e os candidatos do PSD. Estamos montando nosso time para as eleições do próximo ano, e precisamos contar com o apoio dos membros pessedistas”, disse ele, que não expôs o nome pleiteado para pré-candidato.

O PSDB aposta no secretário Eduardo Riedel, e inclusive o presidente regional Sergio de Paula e o governador Reinaldo Azambuja já o anunciaram como pré-candidato ao governo pelo partido. “A pré-candidatura de Eduardo Riedel ao governo de Mato Grosso do Sul é fato consumado dentro do PSDB, não existe plano ‘B’ nosso candidato é Eduardo Riedel”, disse recentemente o líder do PSDB.

Cotada para disputar o governo nos bastidores políticos a deputada federal Rose Modesto (PSDB). Especulações dizem que ela deve sair do partido atual na abertura da janela eleitoral rumo ao Podemos, para alavancar a candidatura. Quanto a isso, assim como a mudança partidária, Rose Modesto disse que é uma decisão a ser tomada ‘mais para frente’. Ela confirma que o Podemos é um dos partidos que a convidou. “Outros também. Vou decidir mais para frente um pouco, pois a janela partidária será em abril. Só vou definir lá”, disse 

Pelo MDB, o nome do ex- -governador André Puccinelli é unânime. O presidente regional do partido, Junior Mochi, afirmou ao jornal O Estado que somente por razões pessoais de André é que a pré-candidatura poderia ser retirada. Após pesquisa interna, a executiva do MDB se reuniu em 23 de junho e, de acordo com Mochi, a expectativa é boa e mostra Puccinelli com percentuais expressivos. “As entrevistas demonstram que temos um candidato extremamente competitivo que lidera as pesquisas de opinião pública e que se trabalharmos direito e organizar temos chances. Há possibilidade de vencer a campanha para o Executivo, boas chances de elegermos um senador e obviamente elegermos ao menos dois deputados federais e ampliar base na Assembleia Legislativa fazendo cinco deputados estaduais.”

No Partido dos Trabalhadores, o ex-governador Zeca do PT é o pré-candidato ao governo. A direção estadual do partido se reuniu em 22 de junho de forma virtual com a nacional, quando a situação foi decidida. O presidente regional, Vladimir Ferreira, confirmou o nome de Zeca e a ideia de construção de alianças no campo progressista e democrático.

Pelo PSL, a senadora Soraya Thronicke, que também é presidente regional da sigla, lançou sua pré-candidatura segundo o MS Todo Dia. “Nós estamos fazendo pesquisas ainda, mas já foi identificado que o sul-mato-grossense quer uma mudança na gestão do Estado. O povo está cansado, não é brincadeira o que MS vem enfrentando, o governo está desgastado. Mas as pesquisas apontam que o sul-mato-grossense quer é uma virada de chave e aponta que quer uma mulher, então se eu tiver de enfrentar, eu vou enfrentar e aí eu vou ter que me virar, me debruçar para aprender, para conseguir a expertise que eu preciso para lidar com tudo isso.”

O ex-vereador de Campo Grande Vinícius Siqueira, que é o novo presidente Regional do PROS, tem afirmado que será candidato a governador. Siqueira já tem percorrido o Estado. Já passou por Dourados, Três Lagoas Corumbá. “Nomes grandes e interessantes estão querendo vir com a gente. Querem uma terceira via no poder Executivo”, destacou.

Outro cotado é o juiz aposentado Odilon de Oliveira afirmou que visa concorrer ao governo nas eleições em 2022, mas que ainda mantém conversas com diversos partidos e escolhe um para filiação até o mês de novembro. “Eu sou pré-candidato ao governo. Quero buscar o apoio de todas as pessoas, seja de partido de esquerda ou de direita.”

Dessa forma, por enquanto, os nomes possíveis a disputar majoritária são: Rose Modesto (PSDB), juiz Odilon (sem partido), ex-governador André Puccinelli (MDB), ex-governador Zeca do PT, secretário de Infraestrutura Eduardo Riedel (PSDB), senadora Soraya Thronicke (PSL), Vinícius Siqueira (Pros) prefeito Marquinhos Trad (teria que renunciar ao mandato de prefeito de Campo Grande) e senador Nelsinho Trad (PSD).

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também