Rede social de pesca criada na Capital está presente em mais de 153 países

Se você já ouviu “peguei um peixe desse tamanhão’” ou “era o maior peixe que já peguei na vida”, sabe bem o que é uma história de pescador. Eles sempre se gabam dos pescados, aumentam o tamanho, o peso e até a aparência do vertebrado, na brincadeira, é claro. Agora, quem quiser registrar essas narrativas e se livrar de vez dos olhares e das perguntas desconfiadas conta com uma rede social da pesca, o Phofish.

Um grupo de empresários de Campo Grande teve a ideia de reunir em só lugar as fotos de peixes de todo o mundo, peixe pequeno, grande, bonito ou feio. Desde então, o Phofish tem concentrado uma grande quantidade de verdadeiras “histórias de pescador”.

O Phofish é um site de relacionamento dos amantes de pesca, que visa a divulgação da biodiversidade e a preservação da natureza. A troca de informações e a interatividade dos pescadores possibilitam aos usuários o descobrimento de novos pontos de pesca pelos rios, mares e lagoas pelo mundo.

O site facilita o registro do pescado de forma que fica exposto para todos os usuários acessarem. “É como se fosse o ‘Facebook da pesca’, o intuito dele é unir os pescadores do Brasil e do mundo. Lá, além de você pôr a foto do peixe que você pescou, você pode pôr informações do peso, tamanho, localidade e outras informações como o clima, a temperatura etc”, explica o empresário Rodrigo Rolim, 37.

Presente em mais de 153 países, a rede social está no ar há dois anos e já conta com mais de 200 mil usuários. O aplicativo da rede social pode ser baixado em tablets e smartphones, disponível nas plataformas de vendas Android, iOS e Windows Phone.

O aplicativo que foi criado na Capital não visa apenas a postagem de fotos bonitas e diferentes, conforme Rodrigo, a rede social incentiva a preservação do meio ambiente e busca informar sobre a importância do pesque e solte. “A nossa intenção é mostrar que o peixe vivo é muito mais importante que morto, precisamos ter mais peixes nos rios e mares, afinal, nosso aplicativo vive de peixe, e eles fazem parte da natureza e contribuem para o equilíbrio da mesma”, conta.

O empresário lembra da falta de conscientização por parte da população e diz que iniciativas como essa podem amenizar a cultura de matar por esporte. “O pescador hoje em dia mata 20 peixes, desses, 18 vão ficar no congelador, vão estragar e depois de muito tempo vai ser jogado fora.

Não sou hipócrita a ponto de dizer que eu também não mato, mas apenas para o meu consumo, não tem necessidade de pescar quilos de peixe apenas para exibir, temos que preservar, cuidar para ter”, disse.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também