Professora Rose conhece projeto de ressocialização em escola do Aero Rancho

O projeto de ressocialização “Pintando Educação com Liberdade”, que utiliza mão de obra de reeducandos do Centro Penal Agroindustrial da Gameleira (CPAIG), está reformando mais uma escola pública de Campo Grande. Para conhecer um pouco mais dessa iniciativa, a vice-governadora e secretária de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho, Professora Rose, esteve na última sexta-feira (9) na escola Padre Mário Blandino, localizada no bairro Aero Rancho, que é a terceira a receber uma reforma completa pelo projeto.

Professora Rose reafirmou a parceria do governo do Estado com o poder Judiciário e ficou muito feliz por ver esses reeducandos tendo oportunidade de ressocialização e acima de tudo, por serem instrumentos de transformação na vida de muitas pessoas. “Fico muito feliz como professora e afirmo que muitas vezes o que levam as pessoas a terem deslizes na vida é a falta de educação e oportunidade. Muitas são vítimas do próprio sistema que não consegue cumprir o seu papel”.

     Ela ressaltou as mudanças que um projeto como esse pode construir. “Não tenho dúvidas que tudo isso vai servir para o amadurecimento e ocupação do tempo ocioso e ainda, vai fortalecer a relação com outras pessoas. Parabéns a todos envolvidos nessa grande iniciativa, e em nome do governo do Estado proponho ampliar essa parceria e podem contar conosco como poder público no que precisarem”, destacou Rose.

O diferencial desta iniciativa, inédita no país, e idealizada pelo juiz Albino Coimbra Neto, da 2ª Vara de Execução Penal de Campo Grande (2ª VEP). É que os próprios presos trabalham na obra e todos os custos com materiais são pagos como parte do salário do preso e de outros que estão empregados em órgãos públicos, parques e indústrias da cidade.

A diretora da Escola, Marilene Giavarate Ribas, ressaltou importância que essa reforma trará aos alunos e professores da escola e disse estar muito feliz por ser contemplada nesse início do ano. “Estou muito feliz por começar o ano com uma escola reformada, me sinto privilegiada, e só tenho a agradecer”.

Dados da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário revelam que, atualmente, cerca de 85% dos presos trabalham em indústrias e hortas instaladas dentro do presídio e, também, em empresas externas que buscam e trazem os detentos todos os dias, proporcionando o aprendizado de uma nova profissão, salário e cesta básica, além da remição da pena, que diminui um dia de prisão a cada três dias trabalhados. Já foram beneficiadas com o Projeto do Poder Judiciário "Pintando Educação com Liberdade" as escolas estaduais Delmira Ramos, no Bairro Copavilla II, e Brasilina Ferraz Mantero, no Jardim Leblon.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também