Entrar ou não entrar na politica?

Um rato que morava na cidade, foi dar um passeio ao campo. Recebeu-o e agasalhou-o um amigo que o levou para os seus palácios subterrâneos, e deu-lhe um banquete de ervas e raízes.

Maldizendo em presença de tais iguarias a louca lembrança do seu rústico passeio, o rato da cidade, obrigado a jejuar, disse por fim: “Amigo, tenho dó de ti; como te podes resignar a semelhante passadio? vem comigo para a cidade, verás o que é fartura, o que é viver”. O outro aceitou. À noitinha estavam ambos em uma bela e rica residência, em bem provida despensa; queijos, lombos, o perfumado toucinho, tudo os incitava; desforrando-se de sua longa dieta, o rato do campo regalava-se. Súbito range a porta, entra o despenseiro: vem com ele dois gatos.

O rato da casa achou logo o seu buraco; o hóspede, sobressaltado, pulando de prateleira em prateleira, mal escapou com a vida, e despedindo-se do amigo: “Adeus, camarada”, disse, “ficai-vos com as vossas farturas; mais vale magro e faminto no mato, do que gordo na boca do gato”.

MORALIDADE: Quer entrar na politica e viver sem sossego de espírito?

Fonte: http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/fabulas.html

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também