Centro de Especialidades Infantil do Cempe faz mais de 6 mil atendimentos em um mês

Hoje (5), completa um mês que as instalações do Centro de Especialidades Infantil (CEI) foram transferidas para o Centro Municipal Pediátrico (Cempe). De cinco de janeiro até ontem (4), foram feitos 6.338 atendimentos a crianças da Capital. O CEI conta com mais de 30 profissionais para atender as crianças, entre enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, endocrinologistas, neurologistas, nefrologistas, fonoaudiólogos, alergologistas, oftalmologistas, oncologistas, cirurgião pediátrico e pneumologistas. O CEI funcionava antes na Vila Margarida.

Para a criança ser consultada no CEI, os pais ou responsável deve primeiro levá-la a uma consulta na UBS para pegar o encaminhamento. O espaço, além de realizar os atendimentos às crianças, também faz outros tipos de procedimentos, como exames de audiometria e outros exames pré-cirúrgicos, que no CEI são feitos em até dois dias. Na rede de saúde, a marcação dos exames pode demorar meses.

Segundo a diretora do Cempe, Renata Guedes Alves Allegretti, o CEI foi transferido ao Cempe para concentrar todo atendimento infantil num único local. “Tudo que é para a criança está aqui. Agora atendemos urgência, emergência e ambulatório, assim dá mais celeridade ao atendimento”, argumenta.

Os pais elogiam o atendimento no hospital, afirmando que o atendimento é humanizado e com solução para todos os problemas de seus filhos. “Ter este local com as especialidades é muito importante, é uma necessidade que toda a população anseia. É a primeira vez que venho aqui com meu filho, estou gostando bastante”, afirma a dona de casa Eliane Rojas, que estava com o pequeno Márcio Rojas, de seis anos, em consulta no otorrinolaringologista.

Já a vendedora autônoma Eliane da Cruz leva o filho Guilherme Eduardo da Cruz quinzenalmente à fonoaudióloga do CEI. “No ano passado, ele ficou um tempo sem ir à fono, pois o antigo CEI ficava muito longe. Agora, aqui no centro, é bem mais fácil chegar e é muito importante ele vir, já que tem problemas de fala e quando está em tratamento ele se desenvolve bastante”, frisa.

Além dos atendimentos e exames, o CEI realiza oficinas que foram desenvolvidas como uma oportunidade de humanizar e reduzir a demanda reprimida para as especialidades. As oficinas proporcionam um espaço lúdico, recreativo e seguro para as crianças ressignificarem seus comportamentos. Os profissionais que fazem as oficinas ainda proporcionam um atendimento diferencial aos pais, para que o processo terapêutico seja efetivamente modificador.

As oficinas – Atualmente, existem as oficinas da Gagueira, de fonoaudiologia e psicologia; Brincadeira é Coisa séria, de psicologia; Surdo/Sonoro, de fonoaudiologia; Criançarte, de psicologia e terapia ocupacional; Global, de terapia ocupacional e demais especialidades; Programa de atendimento multiprofissional para a prevenção da obesidade infantil e grupos terapêuticos para as crianças, com diversas especialidades.

Para participar da oficina, a criança deve ser encaminhada pelo médico. “Quando elas chegam aqui, nós a avaliamos novamente para termos certeza da necessidade delas em participar da oficina. Caso precise, elas ficam com a gente por no mínimo três meses, quando é feito uma nova avaliação para ver se é preciso que ela continue ou não”, explica a psicóloga Marcela Lombelo.

O pequeno Caio Rodrigo Rios de quatro anos participa há dois meses da oficina Global, destinada a crianças de até quatro anos. De acordo com o pai, o vendedor Márcio Rodrigo Rios, ele sempre apresentou mais dificuldades na fala do que a irmã mais velha, quando esta tinha a mesma idade. E o problema se agravou quando se mudaram de Miranda, interior do Estado, para Campo Grande, há oito meses.

No entanto, o vendedor já notou melhora no desenvolvimento da fala da criança e também na socialização. “Quando morávamos no interior, ele brincava mais. Aqui, por ser uma cidade grande, ele faz menos interação com outras pessoas. Mas desde que começamos a freqüentar a oficina, ele faz atividades diferentes e se desenvolveu muito mais”, conta. “Vale muito a pena sair de casa para vir aqui, o atendimento é muito bom”, emenda.

O Centro de Especialidades Infantil fica no Cempe, localizado na avenida Afonso Pena, 2.419, Centro. Ele funciona entre 7 horas e 11 horas e das 13 horas às 17 horas. Atendimentos em outros horários são realizados no hospital
Autor: Lucas Arruda 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também