Candidato a prefeito – ser ou não ser, eis a questão!

Entre 20 de julho e 5 de agosto, os partidos políticos estarão autorizados a realizar suas convenções partidárias, quando cada agremiação vai anunciar quem serão seus candidatos a vereador e, juntas, apontarão o nome em comum na disputa pelas prefeituras. Em 15 de agosto, as decisões devem ser sacramentadas perante a Justiça Eleitoral –até momentos antes do registro, surpresas envolvendo desistências e novos apontamentos não são incomuns. Como ocorreu em Campo Grande desde a sexta-feira (24), quando o anúncio de uma pré-candidatura chegou com a promessa de rearranjar entendimentos entre diversos partidos até aqui.
 
Com várias pré-candidatura declaradas, pelo menos duas delas comungavam um projeto em comum –o binômio PSB-PMDB, envolvendo a deputada federal e presidente regional socialista Tereza Cristina e o deputado estadual Márcio Fernandes (PMDB); e o entendimento entre PTB, PSD e DEM, que colocou o ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB), seu irmão, o deputado estadual Marquinhos Trad (PSD), e o deputado federal Mandetta (DEM).
 
Contudo, na manhã de sexta-feira, reunião do Diretório Regional do PMDB terminou como anúncio de que o ex-prefeito e ex-governador André Puccinelli cedeu aos apelos dos correligionários e, pelo menos, estuda a possibilidade de assumir a pré-candidatura ao Paço Municipal. O anúncio ficou prometido para 30 de junho, mesma data em que Tereza Cristina deve confirmar à nacional do PSB se disputará a eleição em Campo Grande.
 
Chegada de projeto positivo é apontado como fator de mudança de vereador A possibilidade de que André Puccinelli, caso confirmada sua pré-candidatura, ajude a alterar o quadro atualmente colocado, é admitida até por integrantes de partidos que, neste momento, estão distantes do PMDB.
 
 Na quinta-feira (23), por exemplo, o PR realizou ato para consolidar o apoio do partido à pré-candidatura da vice-governadora Professora Rose (PSDB) ao Executivo da Capital, inclusive indicando o diretor licenciado do Sebrae-MS, Cláudio Gonçalves, como potencial vice. Plano que ainda poderia ser revisto, ao menos na avaliação do vereador Dr. Jamal. “O PR sabe do que Campo Grande precisa, e por isso indicou o Cláudio Mendonça para o Executivo, que é uma pessoa entendida em gestão. Se não houver um choque de administração, será impossível retirar a prefeitura do caos em que ela se encontra. Estamos com a Rose, só que a política é como nuvem, e se houver um projeto mais positivo, poderíamos mudar.
 
Toda mudança é para melhor”, destacou Jamal, ao admitir que a expectativa em torno da pré-candidatura de Puccinelli não se restringe ao PMDB. Puccinelli promete silêncio até as 19h de quinta-feira, data do anúncio por meio de sua assessoria, Puccinelli afirmou que pretende dedicar as horas que antecedem ao anúncio de quinta-feira, marcado para as 19h, para pensar sobre a pré-candidatura.
 
Até o anúncio oficial, pretende não antecipar o “sim” ou “não” ao convite do PMDB. Os peemedebistas, até aqui, mantêm intensas conversas com o PSB, até então restritas a Tereza Cristina e Márcio Fernandes –ambos aliados de Puccinelli. O PT do B, sem a pretensão inicial de ter um pré-candidato próprio, também integrou as conversas preliminares da aliança –que chegou a contar com o PR.

(Com Danilo Galvão)
 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também