Acredite se puder: Sarney se despede do Congresso

Para quem achava que esse dia jamais chegaria, o senador José Sarney (PMDB-AP) se despediu nesta quinta-feira do Congresso Nacional, aonde chegou em 1955. O ex-presidente da República, que não disputou a reeleição neste ano, fez um discurso longo e repleto de citações históricas. O plenário tinha poucos senadores, mas muitos funcionários da Casa, que aplaudiram o peemedebista.

No último pronunciamento de sua carreira política, o senador listou alguns temas que, em sua visão, precisam ser debatidos com urgência. Um deles é o uso da máquina pública para fins particulares. "Estabeleceu-se uma promiscuidade entre cargos, empresas e setores da administração que apodreceu o sistema em vigor", disse o parlamentar, que tem praticamente seis décadas contínuas na base governista e dezenas de aliados instalados em cargos no governo federal, sobretudo no setor elétrico.

Sarney encerrou seu discurso com versos poéticos. "Saio feliz, sem nenhum ressentimento. Ai, meu Senado, tenho saudades do futuro!". Depois, ouviu elogios de parlamentares da base e da oposição. Antes de deixar o Congresso, o peemedebista ainda concedeu uma entrevista em que falou de sua carreira. O ex-presidente comemorou o recorde de longevidade política: serão sessenta anos de vida pública em 2015, quando ele deixará oficialmente o mandato. "Eu me tornei o político mais longevo da história do país. Inclusive consegui passar na frente do Visconde de Abaeté, que tinha 58 anos [de vida pública]". 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também