A Corrupção e a conivência da “Esquerda festiva”

Os mais velhos se lembram das músicas e peças teatrais criticando o regime militar, a censura à imprensa, enfim os excessos do governo. Refrescando a memória: tudo ficava concentrado nas mãos dos generais e a produção artística era inclusive supervisionada e financiada pela Embrafilme.

Foi neste cenário turbulento que muitos artistas se projetaram e até hoje desfrutam deste prestígio.  Neste rol, vários cantores marcaram posição e se tornaram ídolos de uma geração.

Mas, com a volta do regime democrático, houve um vácuo na nossa cultura e no Governo Collor foi criada a Lei Rouane para incentivar as produções culturais. E como o país não é sério, houve um aproveitamento das benesses desta lei.

E explico: o artista inscreve o projeto ( shows públicos e peças teatrais – por exemplo) no Ministério da Cultura. Se aprovado, precisa encontrar um patrocinador da iniciativa privada ou não. Aí vem o golpe: o patrocinador recupera o dinheiro doado através de isenção fiscal.  É a renúncia fiscal do Governo que deixa de arrecadar dinheiro que poderia ser investido na saúde e educação por exemplo.  

Entre os inúmeros  felizardos estão Claudia Leite (R$5,8 milhões); Rita Lee (R$1,8 milhões); Rock in Rio (R$8,8 milhões) e Jô Soares com R$1.957 milhões para montar uma peça teatral baseado em Shakespeare contra o impeachment.

É essa cumplicidade da classe intelectual que acaba dando sustentação ao Governo do PT, que nasceu para acabar com a corrupção e a desigualdade social. É do PT que nasceu da união de sindicalistas, marxistas, ex-guerrilheiros, intelectuais e setores da igreja para governar diferente.

Com essa explicação fica fácil entender porque jamais  se viu um Chico Buarque, um Caetano ou Jô Soares – por exemplo – apoiar as críticas contra a corrupção do Governo ou mesmo, as manifestações de rua pedindo moralidade na administração pública. Essa ‘omissão’ é a conivência com o governo marcado por denúncias de corrupção como se viu no Mensalão e na Lava Jato.

Vivemos na democracia, mas a conivência com a corrupção deste pessoal que já foi exemplo de contestação, pedindo anistia, democracia e diretas já – é vergonhosa

A entrevista de Dilma com Jô , por exemplo mostrou a cumplicidade do artista, que alias tem seu rico dinheirinho guardado na Suíça. Quem te vê…quem te viu…

De leve…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também