A ONU é contra a família

12.09.2020

Eu e a minha esposa, Simone, optamos por um estilo de vida simples, onde não ganhamos muito dinheiro, mas temos mais tempo para nos dedicar à internet e às redes sociais.

E nessa navegação, com certa frequência, encontro verdadeiras pérolas, como essa que estou compartilhando, que trata da preservação da família, dos ataques da ONU, para os quais precisamos estar atentos.

O artigo do qual falo é de autoria do pastor Gilson Bifano, que traz sérios alertas quanto aos ataques da ONU em relação à família. Eis o artigo:

“Não é de hoje que a ONU (Organização das Nações Unidas) ataca a Família Tradicional.

A cada resolução, o que se pode ver é um ataque para que a ideia de família tradicional seja esquecida completamente.

Há algum tempo, quando estava tramitando no Congresso Nacional o Estatuto da Família, a Lei 6583/2013, a mesma ONU emitiu um comunicado que estava muito preocupada com a definição de família que estava no preâmbulo do projeto.

O preâmbulo dizia que uma família é a união entre um homem e uma mulher. A ONU, não se conformando com a base dessa definição emitiu uma nota de alerta.

Agora, a mesma ONU, através das Redes Sociais, pede para que palavras como marido e esposa sejam substituídas por cônjuge. A palavra “namorado” ou “namorada”, recebam o nome de “parceiro”. Orienta que muitas palavras inglesas que tem na sua raiz a palavra “man”, como “chairman”, “policeman”, “fireman”, “businessman”, sejam substituídas por palavras neutras.

A justificativa da ONU é que o mundo seja mais igualitário. Que os sexos, homem e mulher, masculino e feminino, sejam abolidos. Usar palavras neutras é melhor para a ONU.

Há muito tempo que a ONU deixou de ser uma organização existente para promover a paz e a união entre os povos. Hoje se tornou refém de pautas, como por exemplo, contrárias aos princípios cristãos.

Há muito tempo a ONU também não tem a mínima dificuldade de se posicionar a favor do aborto, da ideologia de gênero.

Quanto ao aborto, a ONU usa o eufemismo “saúde sexual e reprodutiva” para incentivar o aborto. Verbas da ONU são canalizadas para organizações pró-aborto para a compra e larga distribuição de medicamentos e suprimentos indutores de aborto.

Na ONU, é comum liberar verbas para países em dificuldade se os mesmos se comprometerem ser mais lenientes em relação ao aborto, à ideologia de gênero, como aconteceu com o Equador, recentemente. A ONU só liberou U$ 46 milhões depois que o país vizinho acenou para uma flexibilização em favor do aborto.

Como cristãos, precisamos estar atentos a esses movimentos. Sabemos que forças poderosas regem cada movimento, cada resolução da ONU, mas não podemos nos intimidar.

Conscientizar-se dessas estratégias é muito importante. O que eles querem é que os cidadãos de todo o mundo sigam, como gado, suas resoluções.

Como denominação, igrejas, famílias e cidadãos cristãos não podemos nos curvar diante de tantas tentativas de exterminar a ideia da família tradicional, dos conceitos cristãos sobre casamento, sexualidade e gênero (masculino e feminino).

Se como denominação, igrejas e famílias cristãs nos calarmos, seremos cúmplices dessas artimanhas diabólicas”.

Espero que o artigo tenha sido útil e que possamos, com todo empenho, estar firmes em torno da família!

Fonte: Carlos Trapp

Carlos Trapp

Acesse meu blog aqui: www.carlostrapp.com
Meus vídeos: www.youtube.com/user/carlostrapp/videos
Meu Face: Carlos Osmar Trapp

VOltar ao Topo

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Envie sua notícia

(67) 99968-0055

© 2019 Diário MS News. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Livre reprodução, transmissão ou redistribuição dos conteúdos sem edição. Pede-se a citação do crédito.

Site desenvolvido por: